Área do Cliente
47 3525.5264 | 3522.0675 administracao@semsat.com.br

O colapso da logística com as novas regras para os motoristas.

11/09/2012 - Poucos se deram conta das consequências que podem
acontecer pela implantação da nova regulamentação de jornada de trabalho dos
caminhoneiros autônomos

 

Vai faltar motorista e quando o quadro de motoristas for suficiente, vai faltar
caminhão. É inegável que boa parte dos motoristas, sejam autônomos ou com
vínculo empregatício junto às transportadoras, quando em viagens de longo curso
excedem a jornada de trabalho.

 

A extrapolação da jornada de trabalho acontece por três motivos: a primeira é a
busca por maior rendimento do trabalho; a segunda em razão da falta de local
para descanso (a principal alegação dos caminhoneiros autônomos); a terceira é
ocasionada por contingências do embarcador (de raro evento).

 

Das três a mais empregada refere-se ao aumento de rendimento do trabalho e isto
significa que a entrada em vigor da nova regra de jornada de trabalho vai
reduzir o faturamento de grande parte dos caminhoneiros autônomos e o salário
de produtividade dos motoristas de transportadoras.

 

A implantação das novas regras de jornada de trabalho dos motoristas de
caminhões é necessária, mas, como ocorre em todos os sistemas, há que se
ponderar sobre os impactos que isto trará para as outras partes do sistema
logístico do país.

 

Se hoje o trabalho com excesso de jornada é cumprido sem grandes folgas na
frota nacional do modal rodoviário, com a restrição da jornada haverá menos
disponibilidade de veículos. Se todos os motoristas excedessem somente 2 horas
de trabalho por dia (o que convenhamos, é pura ficção), teríamos cerca de 25% a
mais de disponibilidade de deslocamento de cargas sobre as 8 horas diárias.

 

Mas se esta disponibilidade de deslocamento for extirpada pelas novas regras,
haverá redução da capacidade dinâmica de transporte das cargas. Resumindo: não
teremos condições de transportar tudo o que é produzido pelo país.

 

Como consequência deste cenário, os fretes tenderiam a um aumento significativo
em razão dos ajustes entre demanda por transporte e oferta de serviços de
transporte. De certa forma isto faria com que a receita obtida pelas empresas
de transporte rodoviário de cargas e do frete carreteiro aumentassem.

 

Este aumento da receita compensaria eventuais perdas por uma redução da jornada
de trabalho, bem como uma provável elevação no pagamento de imposto de renda de
transportadoras e caminhoneiros autônomos, ocasionado pela implantação do CIOT
(Código Identificador de Operação de Transporte).

 

Mas isto só vai acontecer se os demais modais não possuírem capacidade de
transporte, ainda que mais lentos e menos disponíveis, como os modais
hidroviário e ferroviário. De qualquer modo, o resultado esperado para o
sistema logístico do país é menor capacidade e maior tarifa de transporte. Tudo
o que não precisamos diante da nossa já combalida competitividade logística.

 

Ressalta-se novamente que a regra de restrição de jornada é necessária para
melhorar a saúde dos motoristas de caminhões e a segurança nas nossas estradas,
mas antes de mais nada, deveria haver um bom planejamento sistêmico dos
impactos dessas novas regras.

 

A solução é mais ampla do que sugere a parca visão do sistema logístico
atribuído à ANTT (que só regulamenta o transporte rodoviário e o ferroviário,
ainda que tenha atribuições de regulamentação de operações multimodais).

 

Ainda bem que esta falha, originada no processo de criação das agências
reguladoras de transporte do país, foi percebida pela Presidenta Dilma ao criar
a “agência de logística”.

 

Se já houvesse formas de planejamento sistêmico, a solução seria aguardar pelo
aumento de oferta de serviços de transporte dos demais modais. Já o problema
dos caminhoneiros poderia ser solucionado através da criação de uma grande transportadora
com mais de 780.000 caminhões. Esta seria a maior transportadora do mundo e
teria capacidade de atender todo o território nacional.

 

Certamente seria uma mudança radical na competitividade logística do país,
mesmo que sindicalistas e transportadores perdessem sua posição de poder, seja
político ou econômico, perante os caminhoneiros autônomos.  Solução
existe, mas requer inteligência no seu planejamento.

 

(*) - É professor de Logística da Mackenzie Campinas e diretor do IPELOG.

Fonte: Empresas & Negócios, por Mauro Roberto Schlüter (*), 10.09.2012

Mais Notícias

Uso de celular é julgado como hora extra.
Tribunal Superior do Trabalho dá segunda decisão a favor de trabalhador que ficava à d ...
Rescisão trabalhista: conheça os direitos em cada caso.
Muitos trabalhadores têm dúvida sobre quais são os direitos trabalhistas garantidos na ...
O colapso da logística com as novas regras para os motoristas.
Poucos se deram conta das consequências que podem acontecer pela implantação da nova regulame ...
Empresa é condenada por não impedir ofensas a empregada que teve o nome pichado no banheiro.
A trabalhadora procurou a Justiça do Trabalho, alegando que era perseguida por alguns co ...
Acidentes desorganizam.